Professora da rede se destaca com aulas de balé nos CEAMs

08 Ago 2017

Aos 3 anos, a professora Gianne Carla Zambom, hoje com 40 anos, já sabia o que queria ser quando crescer. Tamanha vontade veio de assistir uma prima dançar balé. Depois disso, ficou doente e fez a mãe encontrar uma escola que a recebesse ainda tão nova. De lá para cá, não parou mais. Há dez anos, é professora de Educação Física da rede Municipal de Ensino de Campo Limpo Paulista e há oito meses leva todo o conhecimento que adquiriu como bailarina para centenas de crianças dos Centros de Arte e Movimento (CEAM) da cidade.

Ao longo da jornada, aprender sempre foi o foco de Giani, que ao lado da mãe se desdobrava quando criança para ir às aulas na escola Pio X, em Jundiaí. "Minha mãe nunca teve carro. Então, me levava de ônibus para as aulas. Era uma longa e desgastante jornada. Quando completei 13 anos, ela engravidou e não tinha mais como me acompanhar. Eu não queria parar o balé e acabei conhecendo a Skill, uma academia perto de onde morava."

Foi na nova academia que a professora teve contato com o jazz e, após se destacar, uma professora a chamou para o corpo de baile. Depois disso, participou de competições e teve, aos 15 anos, a primeira chance de dar aulas. "Fui crescendo e vi que queria mais. Então entrei na academia Stage, hoje Estúdio La Danse, onde havia uma professora do Cisne Negro com a qual eu quis aprender." Na mesma época, começou a lecionar na escola Pinduca, onde trabalha até hoje.

Depois disso, entrou para o corpo de baile da Stage, estudou na Argentina, teve aulas com renomados bailarinos como Maiza Tempesta, Simone di Pietro e Jean do Grupo Raça. Ela teve de conciliar a carreira no balé com a faculdade de Educação Física.

Pela La Danse, onde dá aulas até hoje, passou um dos momentos mais marcantes da carreira: dançar no Teatro Municipal. Além disso, dançou grávida de sete meses. "Era um sonho me apresentar com o barrigão", comentou.

Com tanta coisa bonita na história, o sonho dessa bailarina agora é ver as meninas que aprendem a dançar com ela trilharem caminhos semelhantes. "Algumas ex-alunas chegaram a abrir escolas de dança. Isso é um orgulho para mim. O que tento passar para todas as alunas é que quem se dedica, cresce muito. As aulas melhoram a questão da timidez, postura e ajudam a crescer como pessoa, física e mentalmente."

Para ela, as alunas dos Centros de Arte e Movimento têm uma disciplina que chama a atenção. "Elas nunca faltam, vêm de longe, acordam cedo para chegar no horário. Muitas vezes, em escolas pagas, a gente não vê tamanha responsabilidade. E o que vejo é que as meninas vêm por prazer, não é nada imposto. É uma dedicação bonita de ver."

CEAM - Para saber mais sobre as atividades gratuitas de cada CEAM, é só entrar em contato pelos telefones 4812-4500 (Botujuru); 4039-2950 (Vila Ypê); 4812-3400 (São José); e 4039-1355 (Monte Alegre).



Assessoria de Imprensa

Departamento de Comunicação de Campo Limpo Paulista

deixe um comentário