Saúde

Organização e dedicação marcam o trabalho dos profissionais da saúde na luta contra a Covid-19

Data da publicação: 20/01/2022 16:51:22

Imagem: Enfermeira Celia Regina Lucio, Dr. Victor Picchi e Enfermeira Técnica Aparecida de Campos

O ano de 2022 começou com muito trabalho para a equipe médica de Campo Limpo Paulista, seja no Hospital de Clínicas, nas Unidades Básicas de Saúde ou mesmo na Farmácia Municipal, que mudou de local provisoriamente. O surto da gripe H3N2, no final de 2021, fez com que a Secretaria de Saúde ampliasse a capacidade de atendimento no HC através da tenda instalada na ala Covid. Nos primeiros dias de janeiro, o número de atendimentos no Hospital cresceu: são mais de 380/dia. 

Mesmo com o aumento repentino de casos da Covid-19, os profissionais da Saúde continuam focados e totalmente empenhados em trabalhar e ajudar a população a enfrentar mais uma etapa difícil neste tempo pandêmico. “Estamos devidamente adequados e com um atendimento diferenciado tanto para o Covid quanto para a H3N2. Esperamos que nosso trabalho contribua para a diminuição do número de casos”, afirmou a Enfermeira Técnica do HC, Aparecida de Campos. 

Outro profissional que tem atuado de maneira direta na linha de frente contra doenças de síndromes gripais é o Dr. Victor Picchi, Diretor Técnico do Hospital. Segundo ele, a retomada das atividades comerciais fez com que a estrutura montada ao longo do último ano fosse mantida, já esperando uma alta no número de atendimentos. “Juntamente com a Prefeitura, consideramos importante deixar um setor isolado do atendimento padrão para entendermos o tamanho da intensidade dessa nova onda. Não esperávamos esses números, mas as medidas necessárias já foram tomadas”. 

A Enfermeira Celia Regina Lúcio destacou o ponto mais importante de todo o contexto atual: a vacinação. “Nossa cidade está vacinando todos os dias nas Unidades Básicas de Saúde. Tenho visto muitas pessoas, principalmente jovens, que ainda não se vacinaram. Vacina salva!”. 

Classificação de risco

Por conta da alta demanda, muitas pessoas acabam indagando os funcionários pela demora no atendimento. É importante explicar que existe uma classificação de risco dentro do protocolo de atendimento: idosos, gestantes e crianças são as prioridades. Segundo a Enfermeira Celia Regina Lucio, todas as pessoas serão atendidas. “Sabemos que a procura aumentou, mas tudo está dentro da conformidade", finaliza. 

Autor: Departamento de Comunicação

Publicidade