Acessibilidade

CEAM São José: mudança de hábitos que transforma vidas

18 Dez 2018

No Ginásio do São José, a energia das alunas das aulas de zumba do Centro de Arte e Movimento (CEAM) do bairro contagia. Entre elas, Rosenilda Marques de Lima, de 51 anos, moradora do Santo Antônio, transborda alegria a cada passo.

Ela conta que as aulas de zumba abriram horizontes, que a fizeram deixar uma vida monótona e sedentária para trás há um ano. "Eu ia trabalhar estressada, de mau humor e sempre cansada. Uma vizinha me indicou a atividade e, depois de relutar, comecei a frequentar", conta ela, orgulhosa em dizer que, de lá para cá perdeu 16 quilos. "Comecei a ver que era legal, me empolguei e agora estou aqui em todas as aulas."

A mudança foi também de dentro para fora. "Minha autoestima melhorou muito, o que trouxe efeitos positivos para minha vida pessoal e para meu casamento, que estava falido." Para quem está em casa sedentária, Rosenilda é incisiva. "Se amem mais e procurem maneiras de cuidar do corpo, da mente e da saúde. No CEAM é possível."

Assim como ela, Cristiana Bezerra da Silva Cavalheiro, de 31 anos, viu na zumba a oportunidade de dar um novo passo. "Eu vi uma foto minha, após o Ano Novo, que em nada me agradou. Resolvi que precisava me cuidar. Então comecei as aulas, já perdi alguns quilos e muitas medidas. Além disso, ganhei disposição."

As alunas Cristiana e Rosenilda fazem parte de um grupo de 285 alunos, que não só dançam a zumba, mas também conquistaram ao longo de 2018 autoconhecimento, novos amigos, saúde e disseram adeus ao sedentarismo. Quem deseja participar das aulas, pode procurar o CEAM São José ou o Centro de Arte e Movimento mais próximo. As aulas são gratuitas.

Só em 2018 o CEAM São José teve mais de 2 mil matrículas. A expectativa para 2019 é de que este número seja ainda maior, com quase 3 mil alunos. As inscrições para 2019 serão abertas a partir de 29 de janeiro. 

MAIS - Os Centros de Arte e Movimento (CEAMs) são um projeto da Secretaria de Educação que tem se destacado a cada ano. São quatro unidades (Monte Alegre, Vila Ypê, São José e Botujuru) que agregam 45 profissionais de educação e de cultura, nas áreas de: Ballet, Jazz, Desenho, Artesanato, Musicalização Infantil, Canto, Inglês, Capoeira, Zumba, Caminhada, Ginástica Funcional, Hip-Hop, Jiu-Jitsu, Jogos de Tabuleiro, Tênis de Mesa, Violão, Violino, Teatro, Flauta e Pilates. Em 2016, o projeto atendia cerca de 700 pessoas. Saltou para 3.300 em 2017 e, em 2018, fechou o ano com 4.311 matriculados.   


    

Assessoria de Imprensa

Departamento de Comunicação de Campo Limpo Paulista

deixe um comentário