Acessibilidade

CEAM Vila Ypê: quando o sedentarismo fica no passado

19 Dez 2018

O ano de 2018 foi de mudanças na vida da dona de casa Maria Aparecida Maciel, de 28 anos, moradora da Vila Ypê. O Centro de Arte e Movimento (CEAM) do bairro abriu para ela novos caminhos, que deixaram uma vida marcada pelo sedentarismo para trás.

"Os meus filhos faziam aulas no CEAM. Eu só vinha para deixá-los nas aulas. Não sentia vontade de participar." No entanto, neste ano, ela resolveu arriscar. Hoje é aluna da ginástica, caminhada e artesanato. "Tenho vontade de vir todos os dias. Quem é dona de casa sabe a diferença que esse tipo de atividade faz no dia a dia."

Ela conta que era muito tímida e já está se soltando um pouco mais. Além disso, fez muitas amizades. "O CEAM ajuda no nosso desenvolvimento pessoal e também do bairro como um todo. É um incentivo, uma nova oportunidade para todos."

Quem quiser apostar nesta nova oportunidade pode entrar em contato com o Centro de Arte e Movimento mais próximo para se inscrever para a temporada 2019 de atividades a partir de 29 de janeiro. O número de alunos só tem crescido. Na Vila Ypê,  em 2017 eram 460 alunos matriculados e em 2018 foram 670.

Mais - Os Centros de Arte e Movimento (CEAMs) são um projeto da Secretaria de Educação que têm se destacado a cada ano. São quatro unidades (Monte Alegre, Vila Ypê, São José e Botuju) que agregam 45 profissionais de educação e de cultura, nas áreas de: Balé, Jazz, Desenho, Artesanato, Musicalização Infantil, Canto, Inglês, Capoeira, Zumba, Caminhada, Ginástica Funcional, Hip-Hop, Jiu-Jitsu, Jogos de Tabuleiro, Tênis de Mesa, Violão, Violino, Teatro, Flauta e Pilates. Em 2016, o projeto atendia cerca de 700 pessoas. Saltou para 3.300 em 2017 e, em 2018, fechou o ano com 4.311 matriculados.   

 

Assessoria de Imprensa

Departamento de Comunicação de Campo Limpo Paulista

deixe um comentário