Acessibilidade

Dia Internacional da Mulher: a força de Michele Franco contra o câncer

06 Mar 2020

No dia Internacional da Mulher, 08 de março, a Prefeitura de Campo Limpo Paulista escolheu homenagear a todas com o exemplo de força e garra da professora universitária, Michele Maria Silva Franco, 36 anos. Nascida em Jundiaí, mas campolimpense de coração, moradora do Jardim Vitória, ela descobriu em abril de 2019, o diagnóstico de câncer de mama em uma das fases mais agressivas.

"Meu mundo desabou quando descobri junto aos exames médicos de imagem. O caso era tão grave que o câncer havia se espalhado para o fígado e axila, entrado em metástase. Foi um momento muito difícil de profunda tristeza. Pensei que não iria sobreviver", contou Michele.

Por conta grau avançado da doença, a professora universitária precisou passar por seis ciclos intensos de quimioterapia com a medicação mais forte para o tratamento e outros ciclos amenos. "Em junho de 2019 comecei a quimioterapia. Foi tudo tão intenso que tive queda dos cabelos, unhas e cílios, o que foi um choque, porque sempre andei impecável, sempre gostei de me cuidar", destacou Franco.

No decorrer do tratamento, ela se deparou com percalços que nem poderia imaginar. Um dos principais desafios foi seu cabelo. "Quando você escolhe cortar o cabelo é algo que você decide por que quer fazer aquilo, eu não tive opção. Foi uma violação muito grande para mim e até eu assimilar e aceitar demorou um pouco. Passei pela fase da peruca, do lenço até assumir meu cabelo como está hoje", frisou.

Mesmo com a o processo intenso do tratamento, Michele não desistiu. A orientação médica muitas vezes apontou para que ela se afastasse do trabalho ou mesmo se aposentasse. "É comum quando se está em um grau tão avançado do câncer que as pessoas se afastem do trabalho, mas eu precisava daquilo para continuar lutando. No tratamento, a imunidade fica comprometida, mas graças a Deus eu pude continuar dando aulas, mantendo contato com pessoas, amigos e familiares que me apoiaram."

Outra mulher com forças sobrenaturais foi a mãe de Michele, Carmen Machado Silva Franco, que lutou ao lado da filha. "Minha mãe foi fundamental no meu tratamento. Ela sempre estava ali por mim, para me acompanhar ao médico, fazer determinado tipo de comida que eu precisava. Toda minha família foi importante no turbilhão de sentimentos que se passa diante do câncer", revelou.

Além de continuar trabalhando, a professora também continuou estudando durante o tratamento. "Eu faço doutorado em Administração e não desisti enquanto lidava com a doença. Continuo a sonhar, porque isso não é mérito meu, mas foi Deus quem me concedeu a graça de viver, Ele determinou vida para mim e não morte", destacou Franco.

Em outubro de 2019, a professora recebeu inúmeros convites para palestrar sobre o Outubro Rosa, mês dedicado à prevenção do câncer de mama - entre os convites, a Prefeitura também a chamou para abordar o tema no período. "Eu estava no auge do tratamento e assumi diversos compromissos em outubro para palestrar sobre o tema e ajudar outras pessoas. Me vi ali lidando com a doença e ao mesmo tempo forte, porque outras pessoas precisavam de mim."  

Para Michele, que hoje ainda faz acompanhamento médico, mas está curada do câncer, sua vida é um milagre. "Sou cristã e acredito muito que Deus foi o responsável por eu estar aqui hoje. Eu agradeço primeiramente a Ele que me sustentou, a minha família que foi meu alicerce, aos amigos e colegas de trabalho na UNIFACCAMP e Senac Jundiaí, os quais me apoiaram demais nesta fase desafiadora da minha vida e à 'Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo', de Jarinu, que me ajudou imensamente", agradeceu.

Com muitos sonhos pela frente e muita coisa boa para viver, a mulher de fibra, professora e doutoranda foi recentemente nomeada coordenadora do curso de Marketing da UNIFACCAMP. "Eu tive uma vida antes e depois do câncer. Hoje eu sei dar valor as coisas que realmente importam. Eu vivo intensamente e aproveito todos os meus dias".

Michele relatou à reportagem que também contou com ajuda médica do prefeito dr. Japim Andrade. "No tratamento há muitos efeitos colaterais. Com as prescrições do médico dr. Japim, muito dos efeitos colaterais como ânsia e dores foram amenizados, além dele me ajudar com a alimentação e vitaminas também no processo ortomolecular", falou.  

MAIS - Como mensagem ao Dia Internacional da Mulher e também ao mês de março, em que Franco celebra mais um aniversário no dia 25, ela reforça. "Celebro este mês com os tesouros mais valiosos que existem na Terra, família e amigos, com uma gratidão a Deus mais que especial este ano porque aprendi que: quem planta fé colhe milagres, e eu sou este milagre", disse. Ela ainda encerra deixando uma mensagem motivacional com uma citação bíblica. "Esse versículo fez parte da minha história e não poderia deixar de citá-lo: 'Deus realiza maravilhas insondáveis, milagres que não se podem contar' (Jó 5:9)", finalizou.

  FOTOGRAFIA PREFEITURA


 ACERVO PESSOAL 



Assessoria de Imprensa

Departamento de Comunicação de Campo Limpo Paulista

deixe um comentário