Acessibilidade

Era uma vez um tirano: peça gratuita adaptada de Ana Maria Machado será dia 08 de março na UNIFACCAMP

03 Mar 2020

"Era uma vez um tirano" do Grupo Prole de Teatro adapta para os palcos o livro homônimo de Ana Maria Machado, publicado em 1982. Este é o primeiro trabalho para o público infantil, e traz direção de Bete Dorgam. A peça fará apresentação única gratuita no Anfiteatro, da UNIFACCAMP domingo, dia 8 de março, às 15h. Este projeto foi contemplado pelo Proac 07/2019 "Circulação de espetáculos infanto-juvenil".

A peça conta a história de três crianças que criativamente conseguem acabar com a tirania que muda a vida dos habitantes e atrapalha a liberdade das pessoas, uma reflexão lúdica sobre política e cidadania. Utilizando da imaginação da plateia e da brincadeira proposta pelos atores, os personagens vão sendo criados em cena com a trilha sonora ao vivo do compositor Alexandre Mello e a iluminação de Felipe Tchaça, que dão o tom dessa grande brincadeira entre artista e plateia.

O livro de Ana Maria Machado foi lançado pela editora Salamandra, e chegou a receber uma leitura dramática na Alemanha pela importante companhia do dramaturgo Bertold Brecht, o Berliner Ensemble, em 2002.

"As proibições do Tirano, lembradas no livro, estavam na memória recente de todos. E não vigoravam apenas no Brasil, mas em vários outros países vizinhos. Minha proposta para vencer a situação era simbólica, naturalmente. Mas tinha a ver com o caminho em que eu acreditava: uma festa feita com a união de toda a nação, nas suas diferentes etnias e gerações, com os recursos da memória e da criatividade artística, e com a pureza e coragem das crianças", relata a autora Ana Maria Machado em texto publicado na segunda edição do livro.

Ao encenar este texto, o Grupo Prole propõe refletir junto ao público sobre assuntos que tanto preocupam e permeiam discussões contemporâneas - democracia, acesso à arte, direitos do cidadão, liberdade de expressão, a importância do diálogo entre pessoas que tem ideias diferentes, entre outras. Para  contar  esta história de assuntos tão adultos e que se refere a um período político da nossa história tão complexo, a encenação joga com a imaginação das crianças e da brincadeira de atores que vão criando personagens e cenários.

Neste jogo o elenco se coloca ludicamente diante não apenas dos efeitos da tirania, mas também diante do desejo de ser o tirano. "Isso nos leva a pensar também sobre as pequenas tiranias e radicalismos que cometemos. E como somos individualmente responsáveis por, em nossas ações sociais, cuidar do espaço público e dos direitos democráticos. Não através do ódio, mas do diálogo e do respeito ao direito de pensar e ser diferente.", explica a produtora Fernanda Assef.

O espetáculo que estreou em outubro de 2018 no Centro Cultural São Paulo e ficou entre os pré-finalistas do segundo semestre do Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem na categoria Melhor Texto Adaptado. Em 2019 a peça realizou temporadas no Sesc Santo André, Sesc Consolação e Sesc Itaquera, além de apresentações no Sesc Araraquara ,Sesc Sorocaba e no Sesc Jundiai .
 
Sobre o Grupo Prole
O Grupo Prole foi fundado em 2005, pelas atrizes e produtoras Fernanda Assef e Bruna Aragão. Desde sua fundação o grupo se dedicou a pesquisa da dramaturgia brasileira e o diálogo de grandes escritores nacionais com a realidade sócio-política do país e nossas angústias como artistas e cidadãos. ?Era uma Vez um Tirano? é o primeio teatro infanto-juvenil do grupo que encenou as peças ?Homens de Papel? de Plínio Marcos, com direção de Sérgio Audi (em cartaz em São Paulo entre 2006 a 2010), e ?Boca de Ouro? de Nelson Rodrigues, com direção de Flavia Pucci (com temporadas em São Paulo, capital e interior, e Rio de Janeiro entre 2012 e 2016).

SERVIÇO
Quando: Domingo, dia 8 de março, às 15h.
Local: Anfiteatro da Unifaccamp - prédio 6.
Jardim América - Campo Limpo Paulista
Classificação Livre 
Apresentação gratuita




Assessoria de Imprensa

Departamento de Comunicação de Campo Limpo Paulista

deixe um comentário