Acessibilidade

Tama Sigulda, um legado de amor pela arte

28 Jan 2020

Tama Sigulda atravessou o oceano e pisou em terras brasileiras, em 1960. Nascida na Polônia, a atriz e fotógrafa partiu nessa manhã dormindo, aos 86 anos, em sua residência no Bairro Figueira Branca, na divisa com Jarinu e Campo Limpo Paulista.

Tama se apresentou em turnée em palcos na Europa e também no Brasil e atuou no Teatro, Cinema e Rádio João Caetano, na Aliança Francesa, na Pró-Arte e no Instituto Goëthe, em São Paulo.

Mas para ela, seu maior legado na arte foi construído ao lado do marido, Tao Sigulda (in memorian), arquiteto e artista plástico que nasceu na Letônia, em 1914. Eles se conheceram na Academia Estadual de Belas Artes de Stuttgart, na Alemanha, onde Tama estudava Artes Dramáticas. "O acontecimento mais importante da minha vida foi conhecer o Tao" - declara Tama em documentário sobre as obras do marido.

Tama em vida relatou que em uma exposição de artes em Nápoles, na Itália, Tao vendeu toda a coleção para um único comprador e com esse dinheiro vieram para o Brasil. A princípio seria apenas de passagem e depois seguiriam para o Canadá, mas em 1961, o artista participou de uma exposição na Galeria Prestes Maia, em São Paulo e o casal decidiu fincar raízes no interior paulista.

Em frente ao Paço Municipal de Campo Limpo Paulista, região onde o casal fixou morada, há uma obra de arte em alumínio, produzida na década de 60, alusiva ao trabalhador e ao desenvolvimento que foi marcado pela vinda da Metalúrgica Krupp à cidade.  

Juntos, fundaram o Centro Cultural Tao Sigulda, no Figueira Branca, com o intuito de promover o intercâmbio entre artistas e apreciadores da arte com cursos e eventos.

Tama nasceu em 28 de novembro de 1933. Dezenove anos mais nova que Tao, um casal que sonhou viver e promover a arte na região com os eventos realizados no Centro Cultural Tao Sigulda. "Nós éramos uma pessoa só, eu continuei a obra" Tama Sigulda em uma entrevista.

O corpo ainda não foi liberado. Assim que o Instituto Médico Legal liberar, Tama Sigulda será velada no Centro Cultural que fica na Av Alfried Krupp, 1025. O saguão do local leva o nome de Tao Sigulda e guarda a sua memória através do seu busto e de uma placa. O enterro será no Cemitério Bosque da Saudade, em Campo Limpo Paulista, junto ao Tao que faleceu em 10 de fevereiro de 2006.

Mais: Tama Sigulda participou da Conferência para formação do Primeiro Conselho Cultural de Campo Limpo Paulista, em 30 de outubro de 2019, realizada no Centro Cultural e na oportunidade comentou sobre a importância do local para ela.

       Tama em frente ao Centro Tao Sigulda, no Figueira Branca

 Monumento confeccionado pelo esposo na década de 60, alusivo ao trabalho

Assessoria de Imprensa

Departamento de Comunicação de Campo Limpo Paulista

deixe um comentário